Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem Tramou a Gordinha?

Quem Tramou a Gordinha?

04
Jun19

Será que vale a pena o novo filme com o Zac Efron?

Cláudia Matos Silva

Depende.

 

'Extremamente perverso, escandalosamente cruel e vil' assim se chama o filme, e quem se encarregou de inventar um título tão orelhudo e fácil de reter na memória do espectádor, devia ter um encontro privado com o próprio Ted Bundy (personagem interpretada pelo Zac Efron), que é para ver como ele mode (sim, ele mordia as vítimas). Ora um título destes causa embaraço na zona da bilheteira, com a fila a estender-se, e uma pessoa inervada porque não se lembra do raio do título de tão 'gigantoine'. É dramático. Dizer que é um filme sobre o Ted Bundy pouco ajuda pois este nome não acende nenhuma luz na cabeça dos miúdos, por essa altura ainda a saltar de túbaro para túbaro, quando o Ted andava a fazer das suas. Para despachar a situação e aliviar a fila que se adensa a cada segundo, dizer 'é um bilhete para aquele filme com o Zec Efron' e pronto, limpinho. Há toda uma geração de jovens a trabalhar nas bilheteiras dos cinemas NOS que cresceram a ver o 'High School Musical', aposto que até sonharam voar tão alto, e no fim, o mais perto que as suas vidas estão de se tornar num filme é na bilheteira de um cinema  a aturar pessoas como eu. Life is a bitch! 

Dizer que é o novo filme com o Zac Efron talvez não seja tão injusto quanto isso. Mas para mim foi uma desilusão, mas apesar disso a minha apreciação inicial à pergunta se o filme vale a pena, mantem-se. Realmente depende se conhecem a história do Ted Bundy, se têm especial fascínio, se já viram documentários e especialmente se viram a magnifica série da NetFlix onde podemos conhecer o senhor Theodore Bundy como nunca. E não é por isso que ficamos com melhor ideia dele, bem pelo contrário, compreende-se a capacidade de manipular, tão bem, toda a gente, baseado não só em argumentos sólidos como numa aparencia bastante atraente. Trazer para a tela um dos miúdos mais bonitos de Hollywood não é tornar Ted Bundy, o monstro, demasiado bonito, nada disso. O Ted a mim lembra-me um Rob Lowe, que nos 80s era só o tipo mais sensual ao cimo da terra. MIAU!

GRRRRRR.....E imagino cruzar-me com o senhor Bundy (ver nele inevitavelmente semelhança com o Lowe), sentir-me ao nível do inconsciente atraída enquanto ele me dizia 'anda cá que eu não te faço mal'. Se eu tivesse o perfil das mulheres que interessavam para os seus rituais macabros (jovens universitárias, atraentes, cabelo comprido) podem crer que não havia esperteza saloia que me libertasse da morte certa e agonizante. O povo tem muita razão quando diz 'quem vê caras não vê corações' e este é um caso tão flagrante e fascinante que reforça outro adágio popular 'a realidade supera sempre a ficção'. 

A questão em relação a 'Extremamente perverso, escandalosamente cruel e vil' (fiz copy paste do título porque ninguém merece uma coisa assim) é que eu conheço o serial killer, sou absolutamente fascinada por ele e pergunto-me o que teria aquele cérebro de tão anormal para que não houvesse uma pinga de remorsos por toda a dor que causou. E se também vocês se encontram nesta posição então o filme com o Zac não vale a pena. Eu não reconheci o Ted Bundy no boneco do Zac Efron mas eu conheço muito bem a história e os requintes de uma mente doente/demente. Para quem tem uma primeira abordagem a este caso mediático dos anos 70/80, então merece a pena ver o filme, até porque é preciso começar por algum lado. 

O guião do filme foi inspirado em 'the phantom prince: my life with ted bundy', escrito pela namorado do assassino Elizabeth Kloepfer e apesar de ser a pessoa que melhor o conhecia não sabia absolutamente nada das suas motivações e quão intrincado era o seu carácter. Diria que o guião é uma mão cheia de nada que conta o que foi amplamente divulgado nas notícias e que nada acrescenta a quem se deixa fascinar por toda a complexidade de uma mente tão pouco humana.

Perguntarão, então mas o Zac esteve assim tão mal como Ted Bundy? Não esteve mal, o Ted Bundy é que esteve sempre demasiado bem, por isso é tão dificil encontrar alguém que o replique na perfeição. Para o bem de todos nós Ted Bundy houve apenas um e o diabo que o carregue.