Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quem Tramou a Gordinha?

Quem Tramou a Gordinha?

19
Jun19

Será o marketing multinível uma nova praga?

Cláudia Matos Silva

Sem dúvida. Até a pessoa mais insuspeita há-de abordar-vos com um novo 'negócio da China' que vocês nunca chegam a entender muito bem como funciona e qual o fundamento. É também uma excelente maneira de perder amigos. Perdi duas; uma para a amway e outra para a herbalife. Desejo, no entanto, que os seus investimentos (valor pago na inscrição da plataforma e compra obrigatória do pack para iniciante) resultem no tão prometido Eldorado. 

As plataformas multinível são também muito boas para abordagens de desconhecidos cheios de boas intenções através das redes sociais. Pessoas que farejam perfis em busca de sinais que os possam conduzir de forma, aparentemente casual, a um contacto directo. Já fui abordada por vendedores de productos para a perda de peso, porque é bastante evidente que é o meu  calcanhar de aquiles, bastante assumido,  ou será que não sabem qual é o nome deste blog?

Nos anos 80/90 chamavam-lhes bolha ou pirâmide. Há em Portugal o caso da Dona Branca, conhecida  como a banqueira do povo, como se o dinheiro lhe crescesse nas árvores esta senhora colhia-o e emprestava-o a toda a gente. O que toda a gente não sabia é que essa história da árvore das patacas é mito. A senhora Dona Branca, apesar do bom coração, não emprestava nada que fosse realmente seu, logo era o dinheiro dos outros que andava de mão em mão. E o que acontece quando toda a gente resolve pedir o seu dinheiro de volta? A bolha rebenta.

Quando o esquema se desmorona quem fica no prejuizo é o 'peixe miúdo' ou quem entrou por último neste esquema fraudulento. Há no entanto pessoas a abotoaremm-se ao dinheiro, geralmente quem está no topo da pirâmide, com talentos de feitiçaria; ora fazem o dinheiro multiplicar-se, ora fazem-no desaparecer. Um mistério, não é? Não! Não tem segredo nenhum, são mais ou menos ilusionistas mas em vez de tirar o coelho da cartola, criam em nós a ilusão do dinheiro fácil. Depois quando o truque começa a dar para o torto,  vai tudo ao ar; a varinha mágica, os pozinhos de perlimpimpim, o coelho, a cartola, sobretudo o dinheiro , e como por artes mágicas, desaparecem do mapa. Nos últimos anos em Portugal andou para ai uma grande artista do ilusionismo, antiga funcionário do banco Best, Ana Malfalda Prazeres, que burlou dezenas de clientes aplicando o golpe, inventando productos financeiros que nunca existiram e onde os clientes investiram o seu dinheiro. A reportagem esteve esta semana em destaque na sic e deve ser vista, ao contrário da Ana Mafalda, que nunca mais ninguém lhe pôs a vista em cima.

Este sistema de pirâmide ou bolha é ilegal e levou  muita gente à bancarrota, inclusive um país inteiro. Talvez muitos não se lembrem da crise na Albânia em 1997, cujo sistema financeiro piramidal (também conhecido por Esquema Ponzi, graças a Charles Ponzi, o inventor da marosca lá pelos anos 20 do século passado) foi a base do governo de Sali Berisha, quando em 92 chegou à presidencia da república do que ainda hoje é considerado o país mais pobre da europa. A pirâmide  é um esquema ruinoso e que esmaga sem dó quem está na base. Quem está no topo pega no dinheiro e dá de frosques. Sali Berisha não teve pejo em deixar o seu país em estado de sitio e desaparecer com os bolsos cheios.

E o que acontece a essas pessoas que estão no topo da pirâmide? Para além de se afastarem uns tempos para gastar o dinheiro que roubaram, reaparem-se mais tarde com um novo esquema. Visto que a pirâmide é ilegal então faça-se novo 'croquit', não é preciso ser especialista em geometria descritiva. Só é necessária muita manha e adorar fazer o mundo inteiro de otário (este perfil de pessoas vai um bocado de encontro aos sociopatas....just saying), incluindo as entidades reguladoras.

 

Ah ah, isso da pirâmide não existe, agora chamam-lhe multinível e é legal. O problema é que é mesmo legal, apesar de toda a gente saber tratar-se de um esquema. Ao dizer-se multinível dá uma vez mais, a ilusão, cá estão os mestres de artes mágicas a congeminar, de que estamos todos  ao mesmo nível. Neste tipo de negócios, ao contrário do sistema de pirâmide, há um producto, logo confere legitimidade a quem entra neste esquema. E se o vendedor for realmente eficiente e com uma boa visão de negócio, é bem possível que encontre uma oportunidade de negócio que lhe permita ser o seu próprio patrão. Admiro, e assumo sem hipocrisia, quem consegue uma sólida carteira de clientes para vender os productos, estabelecendo uma relação de cumplicidade e confiança. Mas esqueçam  a treta à lá 'lazy millionaires' (tradução à letra, milionários preguiçosos), isso não existe e todos os que estão profundamente envolvidos neste negócio têm de trabalhar muito mais do que qualquer outro assalariado. E no final das contas se trouxerem 1000 euros mensais para casa é uma fortuna. 

Os anúncios que nos entram pelos olhos dentro nas redes sociais são falsos (muitos até de gosto duvidoso) e prometem metas irrealistas. A linguagem é padronizada com frases a lembrar livros de auto-ajuda, as fotos mostrando ostentação; férias em destinos tropicais ou cenários de famílias felizes, e sempre, uma enorme vontade de partilhar o saber.  Afinal conseguiram tudo aquilo sem esforço e ainda me querem contar, a mim, o grande segredo. Das suas uma, ou sou mesmo uma pessoa muito especial ou tenho escrita na testa a palavra otária.

Estalece-se uma 'bonita', 'sincera' e 'genuina amizade' entre estas pessoas que mais parecem fazer parte de um culto, onde há sempre lugar para a celebração e grandes demonstrações de ostentação. É tudo em grande! E para que serve tanto alarido? Para incentivá-las porque é do seu trabalho; de recruta e venda de productos, que os do topo se alimentam. E poucos percebem que é este o principal objectivo, enriquecer os inalcançáveis, os cabeçudos, os que estão nos píncaros, os que ninguém sabe quem são. É assim que a estrutura realmente funciona, e por isso 'o peixe miúdo' vive alienado julgando lutar diariamente pelo seu próprio negócio, em busca do tal 'empoderamento' (palavra que me irrita bastante). Pessoas desligadas da realidade trabalham arduamente para atingir os objectivos e subirem de nível, uma escadaria tão longa que quanto mais sobem mas têm que subir. Quando chamadas à atenção para a possibilidade de estarem envolvidas num negócio que não é claro, revoltam-se e cortam relações com amigos e família. É uma doutrina e os que aprenderam bem a lição perdem a cada dia que passa o sentido da moral.

Passou recentemente uma reportagem na sic notícias com a marca BBC sobre as empresas multinível. Algumas pessoas responderam directamente à reporter através de vídeos no youtube. E esses videos em que defendem o sistema multinível só comprova tudo o que escrevi anteriormente.