Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quem Tramou a Gordinha?

Quem Tramou a Gordinha?

08
Nov19

Quem é o Benjamin?

Cláudia Matos Silva

Já estava na hora de falar dele.

 

O Benjamin é um gato que chegou até mim com o nome de Ricky. Diz que não se deve mudar o nome aos animais mas tendo o bicho já uma vida complicada com a morte da anterior dona, o legado Ricky só iria recordar um passado que não volta mais. E assim eu livrei-me de ouvir entoar na minha cabeça, a cada vez que o chamasse de Ricky' os primeiros acordes 'tan tan tantantantan' do 'Living la vida Loca' do Martin. Por tudo isto mudar o nome era urgente.

 

Benjamin, o nome, surgiu numa manhã de Domingo. Acordei, ele lá andava a afiar as unhas nos afiadores em forma de peixinhos. Vi ali o Benjamin.  Dizem que estas coisas são epifanias, não faço ideia.Claro que não dá jeito nenhum chamá-lo, ó Benjaminnnnnn....e acabou a ser Benji, para a minha mãe é o 'benja', para o meu marido é o 'lóide' porque segundo diz tem focinho de 'mangolóide'.

 

Bom, tenho de concordar, às vezes olha para nós de uma maneira bizarra, parece que há uma autentica corrente de ar naquela cabeçorra. É cabeçudo, o bicho, e quando o vi num r/c no Campo Grande em Lisboa, não lhe achei graça nenhuma. Já me tinha comprometido em ficar com o animal, aliás, qual a melhor cura para um coração partido, adoptar um gatinho. Ele veio para mim com 4 anos, super bem educado e asseado, claro que graças à minha 'desiducação' passou a ser um malcriadão e a subir para cima de tudo o que era mesa. Não tenho mão nele e às vezes as minhas mãos têm mesmo de fugir dos dentes dele. O Benjamin tem este estranho hábito de gostar de brincar às dentadas, ou então esconder-se atrás das portas, não quero saber que raio de vida ele levava com a dona anterior, mas desconfio que a morte dela não foi um acaso.

 

Dizem que os gatos reflectem os seus donos. É capaz de ser verdade porque se eu me considero uma inadaptada, alguém que está no tempo errado, também o Benjamin se queixa de estar no corpo errado. O bicho está convencido de que é gente e isso tem muita graça ao início, até vê-lo a deprimir e sim deprimir é algo demasiado humano. O Benjamin vive num ambiente de constante stress desde que a casa passou a ser habitada por Rusty, um outro felino amarelo. Ainda pensei que que o facto de serem da mesma cor ajudasse, nada disso. Um é gato o outro só faz de conta. 

Lamento imenso que seja assim. Por egoismo tenho-o aqui comigo, talvez o pudesse dar a outra pessoa para que ele vivesse tranquilamente sendo o único gato da casa. Não consigo. Eu sou do Benjamin e o é meu. O Rusty, o gato que entrou posteriormente cá em casa, tem simpatia por ele e puxa-o para brincarem, mas é como se o Benji se recusasse a ter qualquer tipo de relação com um gato. Como se não fossem da mesma espécie, nem falassem a mesma língua, são absolutamente imcompatíveis. Culpa do Benjamin que recusa qualquer proximidade. E eu penso, uma extensão da minha própria personalidade, que se imcompatibiliza com o ser humano em geral. Talvez nesta relação o animal seja eu. Até porque se ele me arranha, às vezes eu mordo-o.