Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quem Tramou a Gordinha?

Quem Tramou a Gordinha?

17
Jul19

Partilhar nem sempre é preciso, percebem?

Cláudia Matos Silva

Vivemos a febre da partilha. Os stories, nomeadamente os do Instagram são disso prova, partilha-se freneticamente em real time. Mas há um momento, e se tivermos bom senso muito mais do que apenas um momento, em que percebemos que devemos guardar a informação para nós. Não se trata de egoismo mas de salvaguardar o bom trabalho desenvolvido por um grupo de pessoas que não irei mencionar. É guardar um segredo para que mais possam beneficiar do bom coração dessas pessoas e para que outros mal intencionados não metam o bedelho. Confusos? Eu explico.

 

Descobri há uns meses uma bonita e estimada comunidade felina, uma colónia de gatos, gatinhos e gatões. Todos de rua mas que encontram naquela bonita casa, construída com tanto esmero, o seu porto de abrigo. Às vezes quando calha em caminho dou lá uma espreitadela, é uma comunidade muito bem cuidada, com instalações de luxo e num local de excelência para que estes meninos sejam felinos à vontade sem grandes riscos, a não ser os perigos inerentes à condição de ser um bicho de rua. Aliás, alguns gatos têm sequelas, talvez lutas entre a própria comunidade, talvez algum incidente infeliz, mas é facto que todos eles se sentem em segurança naquele espaço. Um local que apenas apreciamos do lado de fora, não somos de todo convidados a entrar, mas se tivermos a sorte de um desses gatinhos se vir esfregar nas nossas pernas, sentimo-nos com o rei na barriga. Os gatos têm esse poder sobre nós, e talvez por receio desse encantamento que têm sob a espécie humana, muitos humanos não gostem deles, nem sequer tolerem a sua presença, quanto mais apoiar colónias ou comunidades.

 

E é só por essas pessoas de má fé que eu não divulgarei o local belissimo onde se encontram estes patudos. Porque receio que lhes possam fazer mal, como tantas vezes ouvimos há quem se entretenha a envenenar os animais da vizinhança. E se metessemos veneno dos ratos na sopa dos próprios vizinhos? Como seria? Seria monstruoso! Um crime! Então porque não há-de ser crime se o fizerem contra os animais? Com a importancia do PAN a crescer (o que tem vindo a incomodar alguns velhos do restelo), agrada-me saber que a lei está a mudar.

 

Eu percebo que nem toda a gente tem de gostar de animais, genuinamente entendo, mas aposto que quem não gosta deles também não cuida dos humanos com quem partilha o tecto. Secalhar não estão a ver a relação de uma coisa e outra, se assim for é porque não gostam nem de bichos, nem de gente. E está tudo bem, eu também não gosto de pessoas estúpidas e não é por isso que as atropelo nas passadeiras. 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.