Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem Tramou a Gordinha?

Quem Tramou a Gordinha?

09
Set20

Porque motivo se fala das mamocas da Sara?

Cláudia Matos Silva

Para quem não tem estado atento a Sara é uma bela mulher que recentemente ouviu da boca de um revisor da CP um piropo muito inconveniente. Disse o senhor entre um pobre sentido de humor e um toque de sedução barata 'ainda bem que não está frio senão as suas mamocas constipavam-se'. O azar do senhor é que a Sara conseguiu registar, com a ajuda do telemóvel, parte da conversa (que mais parecia uma desconversa) onde era acusada de andar a provocar os homens e não se apresentar em condições para frequentar transportes públicos. A Sara usava um vestido verde, num modelo que lembra o famoso vestido da Marilyn Monroe dançando ao vento na grelha do metro em NY.

 

 

O assunto viralizou e foi assunto dos principais meios de comunicação. Muitos acusam a Sara de querer benificiar com a polémica (e se assim for qual é o mal?!) e há até quem use da velha cartilha 'estava mesmo a pedi-las'. Custa-me ler tais comentários, saber que ainda hoje se promove o velho espírito do macho latino fanfarrão com a mesma naturalidade como se fala dos pasteis de nata aos turistas. É a cultura lusitana que se impõe aplaudem os velhos do restelo. 

 

 

A Sara Sequeira, modelo plus size, tem um peito voluptuoso que exibe em bonitos decotes com muito orgulho. No fundo  tem com os seus seios uma harmonia que nunca consegui, pelo menos até ter feito uma redução mamária. Fiz a redução porque o peito me pesava, mas sentia ainda mais urgencia em avançar com esse procedimento cirurgico, a cada comentário que escutava nas ruas. Ao contrário da Sara, os meus seios andavam bem escondidos, eu não tinha orgulho nenhum neles e só comecei a sentir um pouco de paz quando descobri os soutians redutores. Carissimos e comprados numa loja que encerrou portas em Portugal, Max & Spencer. Os redutores eram uma espécie de espartilho ou máquina de tortura das mamas e que me permitia passar meio despercebida entre as outras mulheres mas não o bastante. Mesmo temendo o ambiente hospitalar eu avancei para a redução mamária como quem sabe que vai libertar-se de uma sina. E libertei mesmo. Agora restam-me as cicatrizes que exibo com orgulho, uma espécie de medalha de guerra. Não estou com este relato a defender que se reduza o peito, eu reduzi e assumo sem qualquer pudor. Faria-o mil vezes se fosse preciso.

 

 

A verdade é que já me havia esquecido do impacto de ter um peito volumoso teve na minha adolescencia e inicio de idade adulta. Quando a história da Sara veio a público revivi episódios passados que há muito julgava mortos e enterrados.  E quando a Sara é acusada de querer vingar à custa de um episódio infeliz, revolto-me. Porque eu tive dezenas de episódios infelizes, tantos que me transtornavam ao limite das lágrimas. Não sabia como e onde viver quando o meu peito parecia ser a única coisa que as pessoas viam e comentavam com escárnio. Vesti durante anos camisas de homem, tamanhos muito acima do meu, tudo para que me deixassem em paz e só sosseguei quando finalmente reduzi o peito. No entanto a Sara assume os seus seios porque é estupido esconder algo tão bonito. Eu fui estupida e não tive puder de encaixe, para mim foi mais fácil ver-me livre do 'problema' e assrumar o assunto. Assumo alguma cobardia. 

 

Por isso não posso deixar de dar os parabéns à Sara pela forma como se apresenta, sem vergonha ou ansias de se esconder. A Sara Sequeira é uma mulher linda e ela sabe disso. Inteligente, usou das ferramentas ao seu dispor para denunciar o que ela chama de assédio, confesso que prefiro o termo importunação porque foi assim que me senti durante anos, importunada sem nada fazer para isso. Preferi esconder-me debaixo de um calhau para não ver o que se passava em meu redor. Passados tantos anos, o que eu vivi continua a acontecer e para a maioria parece que está tudo bem. Não, não está tudo bem. 

01
Set20

O que se passa com Tânia Laranjo?

Cláudia Matos Silva

Tânia Laranjo, jornalista da CMTV e uma das figuras mais mediáticas do canal, foi captada momentos antes de entrar em directo.

 

O problema é que a jornalista estava num tom informal com companheiro de reportagem. Notoriamente abalada e com a voz meio embargada lá foi trocando umas palavras com o operador de câmera que lhe dava a contagem para entrar 'no ar'. Alguém resolveu divulgar essas imagens, viralizando-as com memes que estiveram ao rubro este fim de semana nas redes sociais. Com a quantidade de inimigos que Tânia Laranjo tem colhido ao longo dos anos, devido ao seu trabalho jornalistico, fica dificil perceber a origem da onda de difamação que se gerou.

 

Tânia não é nova nestas andanças e saberá defender-se legalmente. De qualquer forma o momento é caricato mas para quem trabalha/ou em comunicação social sabe que nem sempre estamos no nosso melhor. A diferença desta profissão para todas as outras é que está à vista do país inteiro.

 

Apesar de ter feito este video no tom que me é caracteristico espero que esteja tudo bem com a jornalista.