Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quem Tramou a Gordinha?

Quem Tramou a Gordinha?

28
Dez19

Qual o novo documentário da Netflix que anda a dar que falar?

Cláudia Matos Silva

«Don't f**k with cats - hunting an internet killer».

 

Apesar do mote serem gatinhos, e a sua brutal morte, em imagens divulgadas em videos que se tornaram virais no youtube, há muito mais neste jogo de gato e rato. Quando a plataforma do youtube surgiu não havia qualquer controlo, podia publicar-se as maiores barbaridades e foi isso que o protagonista desta história, Luka Magnotta, resolveu fazer para se tornar famoso.

 

Prometo não fazer «spoiler» mas sobre Luka há apenas a dizer que era um miúdo como tantos outros da sua idade, com uma imensa vontade de ser bem sucedido como modelo ou actor. Nenhum dos investimentos que fez deu frutos, Luka continuava a ser um miúdo normal com uma imparável vontade de deixar de ser apenas mais um na manada. E com a facilidade que as redes sociais nos proporcionam, estão à nossa disposição ferramentas que nos poderão tornar populares na rede (ou fóra dela), dependendo do quão insanos consigamos ser. E o Luka Magnotta foi louco o bastante para fazer história, a história que magicou na sua cabeça doente.

 

Deixem-me dizer que a história do Luka louco (entre muitos outros loucos) serviu para que as próprias plataformas digitais criassem mecanismos mais evoluídos para precaver a divulgação de imagens impróprias e que hoje serão um petisco para quem frequenta a dark web. Os filtros usados pelo youtibe, por exemplo, estão cada vez mais eficientes, mas estão longe de ser infalíveis. Muitas vezes é necessário a vistoria de um funcionário da empresa para decidir até que ponto as imagens devem ou não ser removidas. E apesar de haver regras, a subjectividade ainda é algo que levanta muitas duvidas; o que é chocante para uns para outros pode servir de aviso para um exemplo a não seguir. 

 

O caso do Luka Magnotta está devidamente solucionado mas esta batalha na rede ainda terá muitos capítulos, um deles é criminalizar comentários de ódio. Diria que é urgente fazê-lo.

24
Dez19

O que eu quero este Natal?

Cláudia Matos Silva

Francamente que passe depressa. E já agora leve com ele a passagem de ano. 

 

Se em toda a internet as pessoas celebram as maravilhas do natal; as compras, os doces, as decorações, a família, o amor e a fraternidade....ah e cristo, pois claro, foi ele que deu origem a tudo isto. Pois permitam-me que expresse o meu desagrado por esta altura do ano em que se gasta o subsidio de natal em futilidades, se oferecem prendas a pessoas de quem não gostamos assim tanto, se enchem as varandas com bonequinhos a imitar o pai natal a subir-lhes às chaminés, e há ainda uns posters de muito mau gosto com a imagem de jesus cristo que algumas pessoas insistem em pendurar nas janelas.  E depois as luzinhas, aquele exagero e a esses exibicionistas só me apetece dizer-lhes 'amigos, nem tudo o que luz é ouro' e nesse caso são acessórios que compraram na loja do chinês, um producto feito por pequenas mãos talvez crianças que aos 7 anos já ajudam no sustento da família. Exacto, o natal também é família, fraternidade e amor, essas luzes que estupidamente exibem das vossas varandas reflectem exactamente o oposto. E já que gostam assim tanto de jesus cristo, por amor de deus deixem de o ter a descoberto nestas noites de frio invernal, bolas, o miúdo ainda passa mal e é vê-lo nas urgencias de um hospital público a lutar pela vida com uma valente pneumonia e com o azar que tem ainda apanha uma bactéria hospitalar.

23
Dez19

Qual o sabor da censura?

Cláudia Matos Silva

É isso que tenho tentado descobrir ao longo da última semana, altura em que recebi um e-mail de um cibernauta que ameaçava processar-me por eu ter feito certo e determinado video, e naturalmente não vou revelar qual foi.

 

Andei 2 dias apática, não reagia, como se dizer o que penso se estivesse a tornar numa experiência perigosa. Já havia sentido algumas criticas, até alguma condenação por ser como sou ou pensar de determinada maneira, mas nunca me tinham ameaçado com um processo judicial. Quando entramos neste nível, das duas uma; ou arriscamos e mantemos a nossa opinião até ao fim ou acobardamo-nos, metemos o rabinho entre as pernas e fazemos o quanto antes o que nos é exigido.

 

Eu acobardei-me porque detesto conflito. Se tivesse entrado na luta, quem sabe se não ganhava, quem sabe; à lei da liberdade de expressão o humor (ainda) é permitido em Portugal. É algo que nunca ficarei a saber porque preferi resolver logo a situação, apagar e responder ao e-mail com um balde cheio de....ironia. A única coisa a fazer, de acordo com o meu feitio e a minha natureza é retirar desta experiência o humor que ela possa ter. E se eu espremi esta situação como quem espreme um limão.

 

Talvez o sabor da censura seja ácido, como o tal do limão que espremi, mas a forma como me exprimi na resposta levou umas valentes colheradas de açucar, porque eu sou um doce de pessoa. Aqui vos deixo o e-mail de resposta, acho que sobre a minha resposta inofensiva ainda tenho alguma poder...ou será que não?!

 

«Olá caro Mateus, daqui lhe fala directamente a gordinha. Como é óbvio que não tenho qualquer interesse em ter problemas legais. Até porque não tenho nada para lhe dar, caso me processe e queira uma indemnização, não tenho posses. Portanto talvez lhe pudesse entregar os meus dois gatinhos, de resto , teria de ir presa e muito sinceramente não me apetece passar o inverno num ambiente húmido como deve ser o das celas prisionais, porque sou muito sensível às temperaturas baixas. Gostei muito de receber o seu e-mail e sempre que precisar de intimidar alguém agradeço que escolha outra pessoa porque o meu coração é frágil , ainda sou uma jovem, e sou muito amada pela minha família . Assustar-me com e-mails destes talvez possa ser considerado bullying mas não vamos entrar por aí. Desejo muito sucesso aos seus vendedores de classe média baixa , nunca foi a minha intenção prejudicá-los. Quanto ao Matias tenha um bom natal com a sua bonita família. E permite-me um reparo , acho que ficou mesmo chateado porque coloquei a música do Falco no vídeo... afinal ele é austríaco😂 Bom pra que conste do que a mim me diz respeito está tudo apagado. Espero não voltar a ter notícias suas e que os nossos caminhos nunca se cruzem. Fique bem e durma descansado na paz da sua consciência limpa e imaculada. 

 
Atenciosamente Claudia Matos Silva.»
20
Dez19

Voltei a ver novelas, será que tenho salvação?

Cláudia Matos Silva

Um dia como tantos outros, sento-me na cama a fazer crochet, faço um bocado de zapping e páro no canal 10. Nem sei porque o fiz, talvez estivesse demasiado focada no crochet e não me sentia exigente em relação ao que passava na tv. Mas em menos de 5 minutos, já olhava menos para a malha e mais para a tela. Uma imagem linda da Patagónia, um  comboio destaca-se no imenso nevão, deixando a descoberto duas mulheres; uma austera e outra chorosa. Não sei o que aconteceu, mas esse é o grande mistério das novelas, têm o condão de nos agarrar quando juramos não voltar a ficar refens de mais nenhuma. Vi em que capítulo se encontrava aquele episódio e na box pesquisei os episódios para trás até ao primeiro. Pronto, estava agarrada e nada mais havia a fazer.

Para piorar a situação, o papel do mocinho foi entregue a uma cara que não me era estranha. Rafael Cardoso,  não é ainda uma super vedeta da Globo, mas tem qualquer coisa que me prende. Serão aqueles olhos rasos de água, a boca carnuda e vermelhusca, aqueles caracois loirinhos, eu sei lá, pelo Rafael Cardoso lá estava eu a ver uma coisa chamada 'A vida da gente' que data de 2011. Ainda por cima uma novela antiga e eu a vibrar como se fosse o último grito da moda do 'telenovelismo'. Ora, hoje, ontem ou amanhã (parece, mas não me refiro à canção do José Cid) uma novela usa sempre 'a vida da gente' para captar a nossa atenção. O guião desta novela, lembra outras que ia apanhando aqui e acolá, quando às vezes me sentava no sofá a enfardar pacotes de bolachas. Apesar de haver sempre um ou outro factor surpresa, as nossas vidas são tudo menos surpreendentes e repetem-se. A vida da gente é sempre a mesma coisa e por isso, dizer que esta novela é uma obra de arte seria empolar em demasia. 

Por qualquer motivo, 'A vida da gente' apanhou-me num dia bom (ou mau dependente da perspectiva), emocionou-me ao tocar em botões que me são sensíveis, e fez-me chorar (acho que andava a precisar disso) e lá vou seguindo a história desta família moderna, reflexo dos nossos dias, das nossas escolhas, para o bem e para o mal, da nossa liberdade.

19
Dez19

O que é o jogo das perguntas?

Cláudia Matos Silva

É apenas mais um filtro do instagram que nos prende. Desta vez não há lábios fartos nem estrelinhas a sair-nos dos olhos, são apenas perguntas ao calhas que devem ser encaradas de forma divertida. É preciso entender que este filtro, como todos os outros, visa um público alvo muito jovem e as perguntas nem sempre são de grande monta. É como como preencher uns questionários que se fazia na altura do preparatório, alguém se lembra? Tínhamos um caderno e no topo de cada folha estava uma pergunta e depois iamos passando o cadernos aos nossos amigos e colegas da escola para que eles preenchessem. Nunca percebi o real objectivo disso, ficar a conhecê-los melhor, pura bisbilhotice ou uma forma de encontrar brincadeiras originais visto que nem sempre apetecia ir para a rua jogar ao berlinde ou ao espeta. Na verdade, também não encontrei um real significado para estes filtros do instagram, cada vez mais apelativos e originais, mas tal como no tempo dos questionários que partilhavamos com os nossos amiguinhos, também agora partilhamos filtros com respostas mais ou menos originais. Serve para nada mas quem disse que tudo precisa de um propósito maior. Se me entretem, diverte e ainda me ajuda a conectar com outras pessoas tanto melhor. Aproveitemos o melhor da experiência sem ficar refens dela.

 

O video desta semana é um pouco diferente do costume. É mais pessoal do que pretendia, mas depois conto-vos o que me motivou gravá-lo. Fica ai a dica para o verem e subscreverem o canal porque é bom, grátis e dá pra entreter.

14
Dez19

Ângelo, o que foste fazer ao programa da Cristina?

Cláudia Matos Silva

É a pergunta que se impõe, depois de todo o 'sururu' em torno das injecções de testosterona. Afinal a malta andou foi a pesquisar sobre o significado de chuva dourada. Sim, foi o tema mais pesquisado a semana passada no google em Portugal. Das duas uma, ou eu sou uma enciclopédia 'de saberes e sabores' (sim, isto é um trocadilho) ou a maior parte das pessoas são bastante ingenuas. Ainda miúda no recreio da escola enquanto se diziam para a troca anedotas sobre o Hitler (sim, há toda uma epidemia de anedotas sobre o grande ditador e digamos que são as célebres 'piadas secas') e já nós putos xarilas falavamos da chuva dourada e prateada. Ah não sabiam que também há a prateada? Então continuem na ignorância porque são assuntos, a meu ver, que não têm qualquer interesse. Já a ida do Ângelo Rodrigues ao programa da Cristina podia ter sido muito esclarecedor mas ficou-se pelo irritante. O actor fala de infortúnio e sai em braços qual heroi sob uma chuva dourada.

 

Bem, está ai o video do meu canal. Façam o favor de espreitar e já agora subscrevam. É gratis, tá?!

10
Dez19

O que sentimos quando perdemos um ídolo de adolescência?

Cláudia Matos Silva

Não sei explicar por palavras mas é como se mais um pedaço da minha adolescência se perdesse. Mesmo continuando a criar playlists com sucessos dos 80s no spotify, não há como fugir ao facto de que hoje sou uma mulher de 42 anos, e não a adolescente sonhadora que delirava com os telediscos que passavam no TOP+. Aliás o TOP+ é reflexo de como a música chegava a Portugal, assim meio a pontapé, o programa era péssimo mas só através dele conseguiamos vislumbrar alguns dos nossos ídolos. De resto, MTV só para quem tinha parabólica.

 

Hoje ainda a despertar leio que morreu a vocalista dos Roxette, para mim é como se os próprios Roxette tivessem morrido porque toda a gente sabe que apesar da banda ser uma dupla, Marie e Per, e de Per ser assumidamente o grande motor criativo, era Marie que todos nós amavamos. Marie era o sol que brilhava na voz e no corpo. Uma loira feia, magrinha e sem formas, cabelo curto, loiro platinado mas usando de um penteado pouco lisonjeiro, já para não falar das duas favolas bem separados (conhecido fenómeno 'dentes à mentiroso') que nunca corrigiu. Não se podia dizer que gostavamos dela pelos seus lindos olhos, porque era uma brasa e linda de morrer. Tinha no entanto uma sensualidade indiscutivel, notem como beleza e sensualidade são coisas tão diferentes e que muitas vezes são confundidas. Isto dava outro post.

 

Eu tenho todos os cds dos Roxette, pelo menos até ao 'best of' onde claramente há uma separação de águas. Até à compilação da dupla é 'cool' gostar de Roxette, após a edição desse disco de singles orelhudos, o público adolescente já armado em adulto começa a curtir um certo indie que andava a fazer estragos no top de vendas. Eu não fui diferente e para trás deixei os discos dos Roxette, apesar de os continuar a guardar com carinho, e lhes agradecer o facto de ter aprendido inglês mais depressa de tanto ler as letras que vinham nos livretes. Já agora, Luísa, nunca me chegaste a devolver o livrete do 'Crash Boom Bang'!!!

 

Os Roxette fazem parte da trilogia sueca que tomou o mundo tipo vendaval. Houve os ABBA, mais tarde os ACE OF BASE e por fim ROXETTE (a ordem não está propriamente correcta porque os ace of base já são um producto dos 90s). Todos com o mesmo talento para fazer música fácil de gostar, música que gostamos de gostar e que nos faz sentir bem. É até de estranhar, tendo em conta que nos países nórdicos, pela falta de sol, a malta tende a ser deprimida crónica. Apesar dos Ace of Base terem-me apanhado numa fase mais premente da minha adolescencia (por premente quer dizer mesmo DEprimente), os Roxette eram os meus eleitos pela consistencia, diversidade, pela química da dupla e pela Marie.  

 

Mais tarde soube que Marie estava doente, do tratamento ficaram sequelas severas, mas ainda chegou a fazer uma última tour, quase sempre sentada e cantando os hinos com o apoio incessante dos fans e a colaboração de uma banda que nunca a deixou ficar mal. Para mim era uma morte anunciada, vi Marie frágil, uma sombra do que conheci mas admirei-lhe a coragem de se apresentar num outro estado da sua vida, sabendo que não teria muitos mais anos de vida. Marie continuava o sol, mas em vez de estar no topo, a brilhar às 3 da tarde, sentia-se a calmia de final de tarde, um sol que se escondia para regressar no dia seguinte. Apesar de nos ter deixado aos  61 anos o sol dela vai continuar a brilhar de cada vez que a ouvirmos na rádio. É certo, vamos levantar o som do rádio, desafinar até dizer chega, e por três minutos e tal permitirmo-nos ser adolescentes de novo. 

 

Respondendo à minha própria pergunta 'o que sentimos quando perdemos um ídolo de adolescência?', humm...mesmo sabendo que nada dura para sempre,  não podemos nunca deixar que essa adolescente parta de vez. E há que manter firmeza em recuperá-la de quando em vez quando revemos um filme do John Hughes, um teledisco dos A-HA ou toca na rádio uma música dos ROXETTE. As coisas não voltam a ser como dantes mas é bom lembrar que passamos por elas e que hoje estamos aqui.

04
Dez19

Quem é o apresentador mais SMF da tv portuguesa?

Cláudia Matos Silva

Para inicio de conversa ele não é apresentador mas ajeita-se. Como no fundo se tem ajeitado em tudo na vida, e no meio de tanta coisa que foi fazendo, teve a sorte de se encontrar na cozinha. O Chef mais lixado da TV portuguesa, é a nossa versão do Gordon Ramsey, mas eu gosto mais do nosso que apesar de não ser português de gema conhece melhor e ama mais a  cultura lusa do que muitos de nós. O pesadelo na cozinha regressa às noites de Domingo na TVI o que quer dizer que a SIC levou uma abada com aquela experiencia social farçolas de seu nome 'casados à primeira vista'. Aliás, tendo em conta o quão bem sucedidos estão os casais diria que deviam mudar o  nome do programa para 'Forçados à primeira vista'. Sim, será que não repararam que está ali toda a gente contrariada? Minto. A Marta Rangel não, essa quase ia levando com um sapato do 'psycho' Luís, o  esposo que lhe saiu na rifa, mas ela aguenta porque a participação neste programa é um investimento e no início são precisos alguns sacrificios. Também há video no canal sobre o programa da SIC aqui. Pronto, está quase tudo dito, só me falta apelar à subscrição do canal quem tramou a gordinha. É grátis, sim?!

 

03
Dez19

É um aspirador ou um agente da KGB?

Cláudia Matos Silva

Entrou cá em casa como sendo um moderno aspirador mas com um preço muito mais acessível que os primieros que chegaram ao mercado. Os famosos Roomba que foram há uns anos um valente rombo aos nossos bolsos porque não chegou a integrar-se na família e foi logo recambiado para um outro lar. O meu pai comunista de gema desconfiava da roomba, enervava-se, como se uma entidade se andasse a passear pela sua casa espiolhando todos os cantinhos. Na cabeça dela, com tendencia para construir teorias da conspiração a roomba era um agente das secretas e conseguiu comprovar a sua teoria. Numa noite, esticado no sofá vendo tv, o meu pai dormitava um pouco. O que ele não sabia é que enquanto não se arranjava um novo lar para a roomba, resolvemos colocá-la dentro de um móvel, sitio onde ele não a pudesse ver, pois só a sua visão o deixava num estado de total inquietação. Então o meu pai achonchegado no sofá e entrava naquele limbo entre o sonho e a realidade, acorda num sobressalto porque a romba sai disparada do móvel, que por azar ficava mesmo ao seu lado. Acordou a casa toda aos berros e confirmando a sua teoria de que aquele objecto era coisa ruim. O que se tinha passado era fácil de perceber, o robot estava programado para arrancar à meia noite e como robot bem comportado lá se atirou ao trabalho enquanto nós pressionadas pelo meu pai quase tivemos de o atirar pela janela.

 

Volvidos 10 anos. talvez. Regressa uma dessas maquinetas cá a casa. O meu pai já não habita aqui, este robot é marca manhosa vinda das espanhas, custou cento e poucos euros e para além de aspirar ainda lava. Activada directamente ou por app pode ser manipulada à distância, apesar disso parece ter vontade própria. Desta vez o meu pai não opina, mas os gatos não confiam no novo elemento da família, até lhe dei um nome e tudo, Julie, para melhor se integrar. A Julie tem-me facilitado a vida a mim, mas ao contrário do que se vê na internet, os gatinhos a passear em cima dos ditos aspiradores, por cá esse não é cenário provável. O Rusty já deixou bem claro que ou ele ou a Julie, pelo menos desde que a entidade entrou cá em casa deixou de dormir connosco no quarto. Ele pensa que nos castiga o que não é verdade, tem sido um alivio do caraças porque finalmente temos espaço na cama. Somos agora uma família mais feliz porque o Rusty que tinha a lata de nos ocupar a cama toda enquanto nós tentavamos arranjar espaço, agora com a birra da Julie fica no sofá e pode ocupá-lo todinho como quiser. Só espero que a Julie não seja marota e dê numa de roomba e se atire às limpezas assim à má fila. E pronto lá teriamos um gato à beira de um ataque de nervos a exigir que a Julie fosse atirada pela janela. Olha Rusty mais depressa vais tu que a minha Julie, ouviste? Menino mau:)